quinta-feira, outubro 27, 2005



FLOR


A pedra.
A pedra no ar, que segui.
Teu olho, tão cego como a pedra.

Éramos
mãos,
esvaziamos a escuridão, encontramos
a palavra, que ascendia do verão:
flor.
Flor - uma palavra de cegos.
Teu olho e meu olho:
procuram
água.

Crescimento.
O coração: de parede a parede
se forma.

Uma palavra ainda, como esta, e os martelos
vibram ao ar livre.



Paul Celan
De Limiar a Limiar (1955)
trad. Cláudia Cavalcanti

2 comentários:

Anando Purutama disse...

Me encanta,
bellisimo

Anando

Roberto Iza Valdes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.