sexta-feira, janeiro 22, 2016

Gralha negra em tempo de chuva

2 traduções de "Black rook in rainy wather"/ Sylvia Plath

Imagem de Raquel Frota (1,50 X 1,20 misturado em media na tela)




















a gralha negra em tempo de chuva




Lá no alto, num ramo firme
arqueia-se uma gralha negra toda molhada
arranjando e voltando a arranjar as penas à chuva.
Não espero qualquer milagre
nem nada

que venha lançar fogo à paisagem
no interior dos meus olhos, nem procuro
mais no tempo inconstante qualquer desígnio,
mas deixo as folhas manchadas cair conforme caem,
sem cerimónia ou maravilha.

Embora - admito-o - deseje
ocasionalmente alguma resposta
do céu mudo, não posso honestamente queixar-me:
uma certa luz pode ainda
surgir incandescente

da mesa da cozinha ou da cadeira
como se um fogo celestial tornasse
seu, de um instante para outro, os mais estranhos objectos,
assim consagrando um intervalo
de outro modo inconsequente

por nos dar grandeza e glória,
ou até amor. De qualquer modo, caminho agora
atenta (pois isso poderia acontecer
mesmo nesta paisagem triste e arruinada); descrente,
mas astuta, ignorante

de que um anjo se decida a resplandecer
repentinamente a meu lado. Apenas sei que uma gralha
ordenando as suas penas negras pode brilhar
de tal maneira que prenda a minha atenção, erga
as minhas pálpebras, e conceda

um breve repouso com medo
de uma neutralidade total. Com sorte,
viajando teimosamente por esta estação
de fadiga, acabarei
por juntar um conjunto

de coisas. Os milagres acontecem
se gostares de invocar aqueles espasmódicos
gestos de luminosos milagres. A espera recomeçou de
                                                                      [novo,
a longa espera pelo anjo,
por essa rara, fortuita visita.




sylvia plath
pela água
tradução de maria de lurdes guimarães
assírio & alvim
1990




Gralha Negra em Clima Chuvoso



No ramo rijo lá em cima
Curva-se uma negra gralha molhada
Arranjando e rearranjando suas penas na chuva.
Eu não espero que um milagre
Ou um acidente

Incendeiem a vista
No meu olho, nem busco ver no
Clima desultório intencionalidade alguma,
Deixando folhas manchadas caírem como caem,
Sem cerimônia, nem portento.

Embora eu admita
Desejar, ocasionalmente, algum retruque
Da parte do céu mudo, não posso reclamar: uma
Certa luz menor ainda é capaz de
Saltar incandescente

Da mesa ou da cadeira da cozinha
Como se um ardor celestial pudesse
Possuir os objetos mais obtusos vez por outra –
Destarte santificando um intervalo
De outras feitas inconseqüente

Ao outorgar largueza, honra, dir-se-ia
Mesmo amor. Agora, de qualquer jeito,
Ando suspicaz (poderia acontecer até numa
Paisagem baça, ruinosa como esta); desconfiada,
Mas engajada; ignorante

De algum anjo que resolva refulgir
Subitamente ao meu cotovelo. Só sei que
Uma gralha ajeitando as penas negras fulgura
Tanto que me prende os sentidos, arrasta
Minhas pálpebras, e fomenta

Um breve alívio da temida
Neutralidade total. Com sorte,
Trilhando teimosa através dessa estação dura
De fadiga, vou remendar
Todo junto o monte

De conteúdos. Milagres se realizam,
Se você se importa em chamar assim tais truques
Espasmódicos de radiância. A espera se reinaugura,
A longa espera pelo anjo.
Por aquele raro, randômico descenso.

Sylvia Plath
Versão brasileira:  Ivan Justen Santana


quinta-feira, março 26, 2015

A PANTERA




Atrás das fortes grades a pantera
Repetirá o enfadonho itinerário,
Que é (mas não sabe) seu fadário
De negra jóia, aziaga e prisioneira

Vão e vem aos milhares, em desfiles
Infindáveis, mas é só uma e eterna
A pantera fatal em sua caverna
Traça a reta que um eterno Aquiles

Traça no sonho que sonhou o grego.
Não sabe que há prados e montanhas
De cervos cujos trêmulas entranhas

Deleitariam seu apetite cego.
Em vão é vário o orbe. A jornada
Que cumpre cada qual já foi fixada.


Jorge Luís Borges
(O ouro dos tigres, 1972)
Tradução de Josely Vianna Baptista

terça-feira, fevereiro 26, 2013

Lassidão























Ah, por favor, doçura, doçura, doçura!
Acalma esses arroubos febris, minha bela.
Mesmo em grandes folguedos, a amante só deve
Mostrar o abandono calmo da irmã pura.

Sê lânguida, adormece-me com os teus afagos,
Iguais aos teus suspiros e ao olhar que embala.
O abraço do ciúme, o espasmo impaciente
Não valem um só beijo, mesmo quando mente!

Mas dizes-me, criança, em teu coração de ouro
A paixão mais selvagem toca o seu clarim!...
Deixa-a trombetear à vontade, a impostora!

Chega essa testa à minha, a mão também, assim,
E faz-me juramentos pra amanhã quebrares,
Chorando até ser dia, impetuosa amada!

Paul Verlaine (tradução de Fernando Pinto do Amaral)



sexta-feira, fevereiro 08, 2013

Patas de Pantera



























O vento frio me mata Um beijo me recria
Quem sabe uma noite inteira Ou na
metade de um dia Ela pise com patas de
pantera Sobre essas páginas frias
Elegante como quem volta Sem saber
aonde ia


Ademir Assunção

O LOUCO






















E fala aos constelados céus
De trás das mágoas e das grades
Talvez com sonhos como os meus ...
Talvez, meu Deus!, com que verdades!

As grades de uma cela estreita
Separam-no de céu e terra...
Às grades mãos humanas deita
E com voz não humana berra...


Fernando Pessoa



perguntaram-me se tenho um destino - eu disse sim é tudo pra ele sim as horas passam e meu coração não tem tempo é tudo pra ele o tempo todo porque nada me é tão tudo quanto ele pra mim sim uma flor da montanha pra ele sim o grito piXado no muro é pra ele sim um dia sem lua embaixo das cobertas idem idem sim o beijo sem saliva é pra ele sim meu mundo sim um mau dia sim um segundo dia sim a calcinha rasgada sim não é simples assim mas sempre acontece o movimento no escuro o copo quebrado os lírios do jardim a palavra o silêncio é dele sim na manhã sim os beija-folhas sim a xícara azul sim o rascunho o lápis de sobrancelha e o mês que não existe mais o batom o pássaro a janela do banheiro as grades e o gato e a carta que caiu do maço e a que não enviei sim os seios sozinhos sim o tropeço sim eu comportada como açúcar cristal a vela rosa cor de avelã o blues a blusa com fio solto pra ele arrancar a lã sim sei lá ando tão comigo que me esqueço de mim a vassoura as goiabas pra baixo do tapete sim e a caixa de fósforo cavalo vermelho

.

Zoe

MEIGA DO NENÚFAR















que flores seriam,
se não as suas?












BLUES PIRATA



hoje vou beber é rum
e navegar na solidão
rasgar um blues pirata
desfraldar uma serenata


de proa à popa
um céu azul nenen
a água na altura dos olhos
oh big boy baby ben bem


coleia serpente dourada
faz a trilha acidentada
siga à esquerda, saque o mapa,
mire a arca de prata


esse blues é fortuito
faço mais de uns mil por minuto
amor sem sentido
estrela e beijo caído


grita um outro blues
uma espécie de proteção
vate o velho pirata
macaco que perde a mão


de proa à popa
um céu azul nenem
a água na altura dos olhos
oh big boy baby ben bem


mais um gole querida
em qualquer estalagem maldita
aos trancos e barrancos da bebida
estradas e sinais de vida


grita um outro grito
um sussuro no meu ouvido
diz o mar sem segredo
o motim do firmamento



de proa à popa
um céu azul nenem
a água na altura dos olhos
oh big boy baby ben bem



Monica Berger
Letra & Melodia 




Mau Amor


Há amores sobre os quais não se escreve nenhuma página, não se pronuncia palavra, não se arrisca letra. Amores calados entre o dia e a noite, entre a luz e a sombra, entre nós desatados no escuro. Há amores sem dó. Amores sem música. Amores nus escorregando no silêncio, amores do limbo. Amores sem poesia filhos de pássaros mudos. Amores tão cruéis que de tão crus nos tapam a boca. Amores que de amor não tem nada, amores de migalhas. Amores arrastados, amores de fantasmas no guarda-roupa. Amores sem sol, amores sem lua, amores sem flores, amores sem delicadeza alguma. Amores parcos, amores pobres, amores desolados. Amores tristes no canto da boca. Amores sem sal, amores gelados. Amores mortos. Amores abortados. Amores de que não se tem saudade, amores defeituosos, amores falhos, amores sem árvore, sem água.

Há amores que não servem pra nada.
Amoras negras e secas no fundo da geladeira.

domingo, outubro 09, 2011

Pandora


Vou dar-te um presente
Eu gosto de presentes
É uma caixa de jóias
É tão bonita
Dentro está um anel com uma pedra preciosa
Porque é tão grande
Toma
Porque é tão grande
Toma
Cuidado
Dentro está um anel com uma pedra preciosa
Mas talvez nunca chegues a pôr no dedo
Na caixa está uma serpente
Para pegares o anel tens de abrir a caixa
Se abrires a caixa a serpente pode picar-te o dedo
E tu podes morrer
Se não abrires a caixa

Adília Lopes

quinta-feira, julho 30, 2009

terça-feira, junho 30, 2009

O ADEUS DA PANTERA




de Mário Bortolotto


Michael Jackson morreu. Tá certo. Ele era realmente um gênio. Talentoso pra caralho e o escambau. Mas na verdade nunca me interessou. Fora uma música ou outra do Jackson Five e do começo da carreira solo, nada do que ele fez me chamava a atenção. Acho o disco "Thriller" chato pra caralho, como aliás acho aquela época toda muito chata. Mas em nenhum momento estou aqui questionando a qualidade do cara. Ele era realmente bom pra caralho. Assim como acho Guimarães Rosa um gênio, só que eu não tenho saco pra ler Guimarães Rosa. Eu não tenho que ler tudo que é bom. Já disse por aqui, e fui muito criticado por isso, que tenho referenciais definidos e interesses definitivos. Posso ser fã de muita coisa do Sylvester Stalone, por exemplo, mas não suporto Pasolini. E com isso estou querendo dizer que Stalone é melhor que Pasolini? De maneira nenhuma. Só estou dizendo que prefiro assistir "Rambo 1" por exemplo, a ver qualquer coisa do Pasolini, só isso. Em resumo, me interessa muito mais ver o soldado John Rambo fazendo o xerife Will Teasle mijar nas calças a ver um bando de jovens comendo merda na suposta crítica ao fascismo de Saló. Então quero deixar claro que acho o Michael fodaço, mas que ele nunca me interessou. Só tenho em casa um compacto do começo de carreira e um MP3 do Jackson Five. E tá bom pra caramba.

Mas a Farrah Fawcett morreu. E essa sim foi muito importante pra mim. Eu tinha um poster na parede do meu quarto, que aliás eu dividia com meu irmão e depois com minha irmã. O quarto, não o poster. Esse era só meu, caramba. Mas o poster ficou lá na parede durante muito tempo. Assistia "As Panteras" só pra ver aquela loura magnífica em ação. Depois descobri que ela era esposa do Lee Majors (O Homem de 6 milhões de dólares) e confesso que tinha um certo cíume dele. Raciocinava assim: Como é que eu posso competir com um cara de 6 milhões de dólares? Logo eu, que não tenho sequer uma grana pra comprar uma tubaína? Aí eu ia junto com os outros coroinhas lavar o salão paroquial e então o padre dava uma grana e a gente ia até o boteco do seu Manoel e comprava tuba-cola e coxinha (sempre as famigeradas coxinhas). E eu nunca conseguia guardar nenhum dinheiro. Sendo assim, jamais poderia me equiparar ao sujeito que valia 6 milhões de dólares. Então ontem quando fiquei sabendo que Farrah Fawcett tinha morrido, foi como se um pedaço de minha infância tivesse morrido também. Uma infância singela e mais ou menos sacana, de um tempo que era possível imaginar que Farrah Fawcett estava na esquina da rua de nossa casa. O Marcelo Montenegro me disse ontem que a sua pantera preferida era a Kate Jackson. Eu sou mais óbvio que o Marcelo. Eu queria a Farrah Fawcett que pra mim só conseguiu ser substituída pela Adele Fátima de "Histórias que as nossas babás não contavam". Sem essa de Cheryl Ladd. Isso sim que é trocar a loira pela mulata. Mas eu nunca esqueci Farrah Fawcett. Nem quando gamei na Sandrinha, minha primeira paixão. Eu não conseguia tirar a Farrah da parede do meu quarto. Achava que a Sandrinha tinha obrigação de entender. E dessa vez, ela finalmente vai cair lentamente de lá, daquela parede de tábuas velhas pintadas de azul. Minha irmã finalmente vai se ver livre da visão daquela loura espetacular. Acho que hoje Fausto Fawcett (porque você acha que esse é o nome dele?) e eu estamos muito tristes. E ninguém vai nos tirar a razão. Tô até ouvindo o tema do seriado na minha cabeça nesse momento e aquele malaco do Charlie falando alguma merda. Boa noite, Farrah. Você nunca foi menos que impressionante.

quarta-feira, junho 03, 2009




O POETAÇO E O POETENTO


O poetaço e o poetento
trombaram (que susto!) um com o outro –
o verbo veio violento
à boca do que era o mais douto:

“Eu faço, eu verso, eu aconteço
e esse universo vai ver só:
reconheces não haver preço
em meu cantar de tom tão só?”

O mais humilde, nojentinho,
viu fim no meio do caminho
e disse ao vizinho, mesquinho:
“Não, não beberei deste vinho

passado que você fermenta.”
– enquanto a tardinha, agourenta,
morria sem um som plangente,
antipaticissimamente.


Ivan Justen Santana

sábado, maio 23, 2009




Obituário do Zé Rodrix
(mantendo o email exatamente como zé mandou):

Por... Zé Rodrix!!!
Data: Qua Jun 2, 2004 7:34 pm
Assunto: Re: [M-Música] . Re: [M-Música] . Re: Paul McCartney - (era:
Rock in Rio Lisboa…)

Felipe:

Em resposta a seu completissimo questionario passo-lhe às mãos minhas especificações para passamento e eventual necrologio..

Há alguns anos, gostaria de ter a causa-mortis preferida de meu pai: assassinado aos 98 anos de idade com um tiro dado por um marido ciumento que o tivesse pego em pleno ato… mas hoje nao mais. Pode ser de fulminante ataque cardiaco, dentro da minha biblioteca, perto o suficiente da familia e dos amigos mas afastado o bastante para que, alertados pelos cachorros da casa, ja me encontrem morto, com um sorriso nos labios.

Pode sepultar-me em pleno mar, sob a forma de cinzas, ja que nao poderei ser sepultado in totum no jardim da minha casa. Se conseguirem isso, no entanto, que nao cobrem entradas para visitação, à moda do irmão da princesa: deixem que alem das pessoas os passarinhos e os animais da casa se refestelem no lugar, renovando diariamente o eterno ciclo da Natureza.

Ao enterro devem, atraves de convite formal, comparecer todos que foram aos meus lançåmentos de livro: nada mais parecido com um velorio do que isso.

Peço parcimonia nos efluvios emocionais: já as risadas devem ser francas e sem limite. Creio inclusive que prepararei com antecedencia uma fita de piadas gravadas para animar o velorio e manter o pessoal na boa.

Como dizia o Bozo, "sempre rir, sempre rir…."

La so deixarei a mim mesmo: mesmo os inimigos que comparecerem para ter certeza de que estou realmente morto podem voltar para casa em paz. Nao pretendo puxar a perna de ninguem à noite e nem assombra-los depois de morto.

Já os amigos podem contar comigo: havendo vida após a morte, volto para avisar, da maneira mais pratica e menos assustadora que me for possivel. A cremação deve ser feita depois que todos forem embora cuidar de seus proprios afazeres: enfrentar as chamas do forno terrestre ja será um gardne introito para a vida eterna.

Se conseguir, tentarei ser crooner da grande Orquestra de Jazz do Inferno, vulgarmente chamada de SATANAZZ ALL-STARS: como ja vou chegar la tenente ou capitão, dada a minha imensa taxa de maldades realizadas sobre a Terra, creio que nao será dificil. Meu castigo certamente será cantar MPBdQ por toda a eternidade, mas mesmo com isso ainda se pode encontrar algum prazer, assim na terra como no inferno….é o que veremos a seguir.

No enterro podem tocar de tudo, menos as musicas que eu tenha feito. Mnha morte servirá certamente para que se livrem nao apenas de mim mas tambem de minhas obras. Os herdeiros tambem nao merecem ouvi-las, sabendo que nada herdarão de minha lavra, porque, sendo eu adepto da politica do VAI TRABALHAR, VAGABUNDO, como meu pai fez comigo, ja tomei providencias para que essas musicas nao lhes rendam nem um tostão furado. Sendo um velorio moderno, recomendo musicas de carnaval antigo, as indiscutiveis, claro, com algumas discretas serpentinas e confetes jogadas sobre o caixão, fechado, naturalmente.

Morrer num Sabado à tarde, ser enterrado num Domingo antes do almoço, e estar completamente esquecido na manhã de Segunda, sem atrapalhar a vida profissional de ninguem: eis a perfeição que desejo na minha morte.

Muito grato.
beijos
Z

terça-feira, maio 19, 2009


viceversa


tenho medo de te ver
necessidade de te ver
esperança de te ver
pernas bambas de te ver
tenho vontade de te encontrar
preocupação de te encontrar
certeza de te encontrar
pobres dúvidas de te encontrar
tenho urgência de te ouvir
alegria de te ouvir
boa sorte de te ouvir
e temores de te ouvir
ou seja
resumindo
estou fodido
e radiante
talvez mais o primeiro
do que o segundo
e também
viceversa.


Mário Benedetti
tradução de Leo Gonçalves

segunda-feira, março 30, 2009

E Daí?




Estudante, os mais íntimos colegas
Já viam nele um grande gênio então;
Ele também; e agiu segundo as regras
Passando em claro as suas noites negras.
E daí? canta a sombra de Platão.

Seus escritos lhe dão notoriedade;
Ao cabo de alguns anos ganha tão
Bem que não passa mais necessidades;
Seus amigos, amigos de verdade.
E daí? canta a sombra de Platão.

Seus sonhos todos vêm à luz do dia:
Casa boa, mulher, filhos, carrão,
Horta e pomar onde tudo crescia,
Poetas e Sábios sobre ele choviam.
E daí? canta a sombra de Platão.

Obra completa, já maduro, tosse:
"Meu projeto de jovem concluí;
Que os tolos clamem; um senão que fosse;
Pois algo ao nível do perfeito eu trouxe."
E a voz mais alto: E daí? E daí?

W. B. YeatsTradução de Ivo Barroso

terça-feira, março 03, 2009



ACERTE OU ERRE
(Pares de premissas em busca de conclusões)



Nenhum careca necessita pente;
Nenhum lagarto tem cabelo.

Alfinetes não são ambiciosos;
Agulhas não são alfinetes.

Algumas ostras estão caladas;
Pessoas caladas não são divertidas.

Rãs não escrevem livros;
Algumas pessoas usam tinta para escrever livros.

Certas montanhas são intransponíveis;
Todos os estilos podem ser transponíveis.

Nenhuma lagosta é insensata;
Nenhuma pessoa sensata espera impossibilidades.

Nenhum fóssil pode ser em amor cruzado;
Uma ostra pode ser em amor cruzada.

Um homem prudente evita hienas;
Nenhum banqueiro é imprudente.

Nenhum sovina é altruísta;
Só os sovinas guardam cascas de ovo.

Nenhum militar escreve poesia;
Nenhum general é civil.

Todas as corujas são satisfatórias;
Certas desculpas são insatisfatórias.



Lewis Carroll
(tradução de José Lino Grünewald)

~*~

domingo, fevereiro 01, 2009

Me perguntaram porque parei de postar no Palavra de Pantera.

Pois bem, eis a razão:


Mas não se preocupem, eu tenho pilhas de Pampers! E uma hora dessas, eu volto.

:)

terça-feira, dezembro 16, 2008

Carrasco de Peru de Natal

Em homenagem ao poeta Marcos Prado que faria hoje, dia 15 de dezembro, 47 anos, uma canção com letra de Marcos, Trindade e Thadeu.

Direto de Londres, Carrasco de Peru de Natal. Mais informações, no comentário do Trindade.


sábado, outubro 11, 2008


Ferenc Pinter / Anima Mundi


Tu e eu vivemos no interior de um ovo
e eu, eu sou a clara
envolvo-te e embalo-te dentro do meu corpo.



Canção de uma gueixa anônima

quinta-feira, julho 03, 2008




A Maçã - vol.2.


Se e quando algum deus a desenhou, a caneta estava falhando ou a impressora era antiga; caso no princípio tenha mesmo sido o Verbo, algumas palavras devem ter-se prendido na ponta da Língua. Qualquer que fosse a cosmogênese, o fato é que a garota nasceu pontilhada.

Nos primórdios, teve que lidar com seu eu arquipélago com a disciplina da marinha grega, tantas as lacunas do seu domínio e tamanho o medo de invasores: muitos calcanhares não definem um herói. Foi quando aprendeu a ler e a escrever, e passou a entender as garatujas que vinham nas garrafas enviadas pelos seus eus sobreviventes dos naufrágios, quanta solidão em cada um.

Talvez tenha vindo daí o gosto pelas garrafas, mas isso já é outra história: o importante é que as mensagens uniram pontos e ela começou a se tracejar primeiro em código morse, depois enfileirando hexagramas do I Ching. Muitas e pequenas mortes: em um dia era só sorriso, em outro não existia até o mês seguinte - ou sei lá quando, crescimento orgânico, vai saber, não tem padrões previsíveis.

Mas ela ainda tentava prever quando ele apareceu, contando os passos para não cair nos descontínuos abismos de sua pele. Teve medo quando ele achou que o suposto do seu traçado era uma insinuação ontológica, e até tentou guilhotiná-lo com o movimento de suas placas subcutâneas, mas ele também era poroso e os dentes dela só morderam-se a si mesmos. Ela não tinha mais nada a que se apegar, fora ao que se enlaçava voluntariamente às esquinas dos seus traços sobrepostos.

Agarrou-se a isso, então. Foi quando o labirinto de desenho brusco virou curvas concêntricas, uma só caverna de vazio reunido, galáxia pulsando no ritmo descontínuo dos músculos dele e do mundo, e suas lacunas viraram mil bocas de um vulcão que respirava o tempo e era erodido por todos os dias da vida.

E então, naquele segundo antes da vontade do cigarro, enquanto o que sobrara dela concluía que dissolver-se era mais divertido do que a ilusão do reunir-se, talvez tenha sido o Verbo a voz que cantava em coro contínuo que a volatilidade era sua ressurreição.


ERIKA HIRS

terça-feira, junho 24, 2008




Seu corpo é uma praia deserta
onde uma música desperta
numa onda esperta e a deserda:
espumas a ferem como pétalas.

Desterra, em tradução infinita,
pérolas na orla do olhar, ilha
que ainda está por ser escrita.

Rodrigo Garcia Lopes
p.s.: Dia primeiro de Julho, no Porão Loquax do W0nka, a música e poesia de Rodrigo + o lançamento da Revista Coyote números 16 e 17.


segunda-feira, junho 02, 2008

POLACO DUCA




sou feito de curitiba

já quis morar em nova york das muitas gentes
amsterdam de todos os bagulhos
tóquio dos mil sóis nascentes
e até são paulo coberta de entulhos
mas não, fui ficando por aqui mesmo
o mundo é pequeno pra mais de uma cidade
e minha vida é tudo que tenho
curitiba entrou nela e, pra minha felicidade,
no seu ecossistema existiam potys leminskis
soldas prados trevisans mirans vellozos
ivos alices buenos buchmanns guinskis
koproskis rogérios pilares franças rettamozos
paixões backs bárbaras shoembergers hirschs
minha mãe meu pai tios avós irmãos primos
pessoas do mundo inteiro como meus vizinhos

já quis morar em outros planetas, outras galáxias
mas eu sou feito de curitiba da cabeça aos pés
corre em minhas veias seus bosques, ruas, praças
vanzolins, marildas, coronas, diedrichs, josés
em cada uma de minhas moléculas, átomos, partículas
collins kolodys lours farias tataras cardosos
leprevosts góes vulcanis smaniottos claudetes
dantes flávios recchias bettegas setos viralobos
sneges justens pryscillas arnaldos octávios bergers
e fui ficando cada vez mais parecido com curitiba
e fui algemado a essa minha alma gêmea
estrela de cada dia estendida por toda minha vida
minha mulher, minha puta, minha santa, minha fêmea
eu, do berço ao túmulo, minha caminhada inteirinha
antonio thadeu wojciechowski, polaco da barreirinha


Thadeu W

sexta-feira, maio 30, 2008

Radio Caos

É, vou lá gravar de novo. Por ora, alguns antes não ditos, neste domingo, dia primeiro de junho, às 19 horas, na 91,3 MHz.

segunda-feira, maio 26, 2008


FEITO ESQUECENDO...



Feito esquecendo as pulsões mais brutais
Encantasse fácil as almas puras
E administrando delícias nos sais
Das palavras travadas de amarguras
Pudesse mesmo arrelvar com carícias
As passadas pesadas de rotinas
Sem que o medo patético partisse as
Rimas com saturações assassinas,
Eu levaria os versinhos na veia
Feito o flautista aos ratos da aldeia
E aos obrigados diria: de nada!
Mas tem sempre um porém em toda via
E a minha inspiração ficou vazia
Lamentando a saliva derramada.

quarta-feira, maio 14, 2008




eu não fui barrada no aeroporto da Espanha. eu não sou cachorro não. eu não tenho uma irmã gêmea. eu não tive o rim roubado. eu não canto mais em bares. eu nunca vi um UFO. eu não bebo cerveja. eu não reenvio spams. eu não sou louca por chocolate. eu não gosto de ir em supermercado. eu nunca fui casada pela segunda vez. eu nunca fui processada. eu nunca bati o carro. eu não preciso de muito dinheiro, graças a deus, e não me importa não. eu não tive apendicite. eu não li crime e castigo. eu não mato mais cactus de sede. eu não sou regida por plutão. eu não sou cética, muito menos crédula. eu não sou antipática. eu não odeio ninguém. eu não sou um horror, nem má, nem madrasta. eu nunca fui diplomata. eu não faço chapinha nem uso lentes de contato. eu não freqüento nenhum tipo de igreja. eu não leio um livro de cada vez. eu não ligo muito para as pessoas, nem as que eu tenho MUITAS saudades. eu nunca morei fora do Brasil. eu não durmo em filmes. eu nunca pulei de bungee jump. eu nunca fiz uma cirurgia plástica. eu não atuo em nenhum partido político. eu nunca fugi de casa. eu não faço yoga. eu não tenho orgulho de ser humana. eu não gosto de guardar a louça. eu até desculpo mas não perdôo. eu não estou em nenhuma comissão julgadora. eu não gosto de aspargos. eu nunca fui batizada. eu nunca pisei na neve. eu não trabalho em banco, nem sou designer, nem professora de inglês, nem empresária. eu não suporto mentira ou gente falsa. eu não entendo pessoas que abandonam seus filhos. yo no creo en brujas pero que las hay... las hay. eu não acredito em duendes nem em conto de fadas. eu, ás vezes, não sou eu.


Estrela Leminski

segunda-feira, maio 12, 2008


tutankamon pitt


- Vem ao jardim na primavera, disseste.
- Aqui estão todas as belezas, o vinho e a luz.
Que posso fazer com tudo isso sem ti?
E, se estás aqui, para que preciso disso?



Jalaluddin Rumi

segunda-feira, abril 28, 2008


edgar allan poe


Ei-lo, quieto, a cismar, como em grave sigilo,
vendo tudo através a cor verde dos olhos,
onça que não cresceu, hoje é um gato tranqüilo.
A sua vida é um "manso lago", sem escolhos...

Não ama a lua, nem telhado a velho estilo.
De uma rica almofada entre os suaves refolhos,
prefere ronronar, em gracioso cochilo,
vendo tudo através a cor verde dos olhos.

Poderia ser mau, fosforescente espanto,
pequenino terror dos pássaros; no entanto,
se fez um professor de silêncio e virtude.

Gato que sonha assim, se algum dia o entenderdes,
vereis quanto é feliz uma alma que se ilude,
e olha a vida através a cor de uns olhos verdes.


Cassiano Ricardo

sexta-feira, abril 04, 2008

RadioCaos Chinês

A homenagem da Rádio Caos ao nosso amigo China (Vicente Meneghetti) é neste domingo, dia 13 de abril, às 19h, na 91,3 FM Rádio Rock.

O céu ficou ficou mais ilustrado e alegre. E quem já estava lá, vibrou com a boa companhia. Tenho certeza.