segunda-feira, junho 26, 2006



Sempre adorei fazer aniversário. Acordava na hora em que nasci, feliz feliz feliz. Um dia me achando o máximo, de verdade. Presentes bem vindos, mas tanto fazia se vermelho ou azul. Era meu aniversário e ponto. Hoje foi diferente. Sonhei com meu único desejo. Deixei passar a hora certa. Não fui arrumar as madeixas, não fiz as unhas, dormi até a hora que pude, querendo agarrar o sonho pelo cabelo. Mas os cabelos do sonho são feitos de pequenos chicotes imateriais - quando existem. Incontroláveis, como todos os desejos. Tomei meu café, atendi telefonemas, abri minha caixa postal. Tenho amigos. Tudo conspira. Ganhei uma segunda-feira bonita, ao abrir a janela. Curitiba de bom humor. O gatinho amarelo está mais afável, dorme agora no meu colo como um novelo. Com o que sonha? O iogurte na geladeira acabou, o que não é bom. A casa está uma bagunça e eu vou enfrentar o shopping. Não há como escapar do Natal, do Ano Novo. Hoje, quis escapar do meu dia, mas não está dando certo. O mundo me ama, vou ter que parar de fazer birra.

Sou obrigada a ser feliz. Minha e feliz.


26.06.06

2 comentários:

Claudia disse...

Lindinha, feliz dia prá você!
Bj grande de sua carioca favorita ;-) Claudia

polacodabarreirinha disse...

Vc não ter me convidado para um cerveja é imperdoável, mas te perdôo assim mesmo. Bj e tudo de bom pra vc.

Thadeu