quarta-feira, abril 18, 2007




OS MENSAGEIROS



A palavra de lesma na chapa de folha?
Minha é que não é. Não a aceite.

Ácido acético em lata lacrada?
Não o aceite. Genuíno é que não é.

Um anel de ouro com o sol dentro?
Mentiras. Mentiras e dor.

Geada numa folha, o imaculado
Caldeirão, proseando e frigindo

De si para si no topo de cada um
Dos nove Alpes negros.

Um turtuveio nos espelhos,
O mar espedaçando o seu, cinza —

Amor, amor, estação minha.


Silvia Plath

3 comentários:

jose disse...

Os Correios [Sylvia Plath]

A palavra de um caracol na folha dura?
Não é minha. Não aceitem a impostura.

Ácido acético numa lata selada?
Não o aceitem. É genuíno nada.

Um anel dourado que o sol emoldura?
Mentiras. Mentiras e amargura.

Geada sobre a folha, o imaculado
Caldeirão, falante e sibilado

Na sua solidão em cada altura
Dos nove Alpes em negrura.

Uma perturbação nos espelhos,
O mar estilhaçando seu cinzento ----

Amor, amor, meu mar cá dentro.


(trad. 19 Abr. ’07)

cra disse...

bonito

Zoe de Camaris disse...

Adoro seus exercícios de tradução, José. Sempre que posto um poema com original em inglês fico aqui esperando para ver quais serão suas soluções. Como vai indo lá com o Sérgio Alcides?

besos,