sexta-feira, fevereiro 18, 2005


The Paradox / John Silver


Ontem, coloquei um post sobre a menina-sereia, Milagros Cerron. Mandei algumas mensagens para amigos e conhecidos e fiquei bastante feliz com o resultado. Muita gente me escreveu, outros acessaram o Palavra de Pantera. Minha idéia, já que a cirurgia é delicadíssima (só existe um caso de sucesso no EUA, como já disse) é acreditar firmemente que a força despendida em atenção possa realmente colaborar para o sucesso de uma operação.

Anos atrás, quando meu pai foi acometido por um grave problema cardíaco, recebi muito apoio de amigos virtuais. Na época, fazia parte de diversas listas de discussão e, junto com um ex-namorado, tive o prazer de viajar para inúmeras cidades do Brasil e conhecer pessoas que até então eram apenas nicks na minha caixa postal. Guardo boas lembranças desse tempo. Muita gente bacana, muita diversão, debates intensos. E aprendi a reconhecer que mesmo aqueles que não conheci pessoalmente, não eram apenas nomes esdrúxulos vagando pela Web.

Meu pai apresentava um quadro bastante desolador. Intervenção difícil que deixou toda a família com o coração na mão. E, no entanto, a perícia da equipe médica, as orações que fiz para minha avó, a inestimável força mágica de Rachel "Bruxursinha" e o apoio que recebi que todos que estavam ao meu lado e na internet, fizeram com que eu possa ter o prazer de descer 4 lances de escadas e ver meu velho pai - ator de primeira linha e atuante - sorrindo na mesa do almoço.

Sim, eu acredito em bruxas. Acredito no poder evocado e direcionado a uma causa. Nem sempre dá certo. Mas quando rola, quando os resultados são bons, é impossível não levar em conta que todos os esforços tiveram seu espaço em uma situação de cura.

É nessas horas que o meu lado cético cai por terra. E saibam leitores, por mais que eu trabalhe com as artes da imaginação, muitas vezes sou a primeira a fazer o teste de São Tomé. Excesso de planetas em Virgo. Deve ser isso.

Mas como estou aqui, tomada pela idéia do sucesso na intervenção cirúrgica de Milagros Cerron, o que acessou fortemente meu sol canceriano, peço atenção a um detalhe do meu post anterior, quando disse que "o coração das mães, de todas as mães, estará junto dela".

Creio que mesmo as mulheres que não pariram sabem muito bem o que é ser mãe. Discordo de Elizabeth Batinder quando afirma que a maternidade é um traço socialmente adquirido (independente de concordar com ela em diversas outras questões).

O sentimento materno, que aqui se traduz em cuidado e carinho, pode ser experimentado por qualquer um, homem ou mulher.

Sei de diversas histórias de homens que acolheram crianças abandonadas e que demonstram um carinho absoluto pela sua cria ou de outrem. Assim como mulheres que não pariram e que tem por seus filhos, sobrinhos e familiares uma amor além da conta.

Então, perdoem-me se feri alguma suscetibilidade quando me referi às mães, em especial. Não foi em detrimento de todos os outros. Não mesmo.

Todo ser humano é - e se não é, pode vir a ser - tomado pelo sentimento sublime que é o Amor.
Zoe de Camaris

Um comentário:

Mauro Lima disse...

Meu anjo, cada ser humano deveria acreditar mais na magia e no poder que reside no íntimo de cada um. Essa verdadeira Alquimia que foi perdida ao longo dos séculos e reaparece em casos de sumo desespero ajudaria a todos nós a vivermos em maior harmnonia.
Como nem todos acreditamm, cabe a nós bruxos e bruxas mostrarmos o caminho, ou morrer na fogueira tentando... Mil beijos, adorei o teu gesto e te adoro cada vez mais.