sexta-feira, maio 26, 2006




Tua casinha branca, teu tranqüilo jardim abandonarei.

Minha vida passará a ser solitária e radiosa.

Mas a ti, a ti eu celebrarei em meus versos,

como mulher alguma jamais fez.

Tu, querido, relembrarás a tua amada

no paraíso que criaste para os olhos dela.

Enquanto isso, eu comercio esses tesouros:

teu amor, tua ternura, vou vendê-los.



Anna Akhmatova
1913

Um comentário:

Claudia disse...

Querida, onde vocÊ descobriu estas belas traduções de Anna Akhmatova?
Eu conhecia alguns em inglês mas estas traduções para o português são belas, delicadas, adorei! Bjs cariocas