terça-feira, janeiro 09, 2007


: DESEJO



Só o teu coração quente
e nada mais.

Meu paraíso um campo
sem rouxinol nem liras,
com um rio discreto
e uma fontezinha.

Sem a espora do vento
por sobre a copa,
nem a estrela que quer
ser folha.

Uma enorme luz
que fosse
vagalume
de outra,
em um campo de
olhares partidos.

Um repouso claro
e ali nossos beijos,
lunares sonoros
do eco,
se abririam mui longe.

E teu coração quente,
nada mais.



Federico Garcia Lorca
(1920)

2 comentários:

Araiê disse...

UAU!que poema hein?

adelaide amorim disse...

amei seu blog. um beijo.