terça-feira, agosto 16, 2005


O poema de Plath é inspirado nesta pintura de Henri Rousseau
La Charmeuse de Serpents


ENCANTADORA DE SERPENTES


Como os deuses começaram um mundo, e o homem outro,
Assim a encantadora de serpentes começa uma esfera serpiforme
Com lua-olho, boca-flauta. Ela flauteia. Flauteia verde. Flauteia água.

Flauteia água verde até verdes águas tremularem
Com juncosas extensões e istmos e ondulações.
E ao se entrelaçarem verdes suas notas, o rio verde

Modela as próprias imagens em volta de suas canções.
Ela flauteia um lugar pra ficar de pé, mas sem pedras,
Sem piso: uma onda de tremeluzentes línguas de relva

Sustenta seu pé. Ela flauteia um mundo de serpentes,
De gingados e coleios, a partir do fundo serpienraizado
De sua mente. E agora nada a não ser serpentes

Está visível. As serpiescamas se tornaram
Folha, tornada pálpebra; serpicorpos, galho, busto
De árvore e humano. E de dentro dessa serpentidade

Ela comanda as contorções que fazem manifesta
Sua serpenteza e seu poder com melodias flexíveis
Saídas de sua flauta esguia. Deste ninho verde afora,

Como do umbigo do Éden afora, retorcem-se as filas
De gerações serpiformes: que haja serpentes!
E serpentes houve, há, haverá – até que bocejos

Consumam essa flautista e ela se canse da música
E flauteie o mundo de volta ao tecido simples
Da serpiurdidura, serpitrama. E flauteie o pano de serpentes

Até uma fusão de águas verdes, até que nenhuma serpente
Mostre a cabeça, e aquelas águas verdes de volta pra
Água, pro verde, pra nada semelhante a uma serpente.
E acondicione sua flauta, e empalpebre seu enluarado olhar.


Sylvia Plath

Versão brasileira: Ivan Justen Santana

Um comentário:

Sylvia disse...

Pq seu interesse por Sylvia Plath?