terça-feira, outubro 31, 2006



Ícaro

Com que então pertenço aos céus?
Não fosse assim, por que é que os céus
Me olhariam assim com seu eterno olhar azul,
Me chamando, e à minha mente, mais alto,
Sempre mais alto, sempre mais acima,
Me chamando sempre para o máximo,
Para alturas que homem algum imagina?
Por que, estudado o equilíbrio
E o vôo planejado até a última minúcia,
Até não haver margem para o infortúnio,
Por que, até aí, deve a ânsia de subir
Ser associada à insânia?
Nada nesta terra vai me ver satisfeito;
Novidades do mundo, logo monótonas;
Algo me chama lá em cima, para cima,
Cada vez mais perto da faísca do sol.


trecho de Ícaro, por Yukio Mishima
tradução de Paulo Leminski
Sol & Aço/85

2 comentários:

josé (porto) disse...

Poema bem solar, eu diria; e Paulo Leminski traduzindo, que reencontro bom. Lembrou-me este outro, de Robert Frost, que anexo no original (publicado em 1923):

Fragmentary Blue

Why make so much of fragmentary blue
In here and there a bird, or butterfly,
Or flower, or wearing-stone, or open eye,
When heaven presents in sheets the solid hue?

Since earth is earth, perhaps, not heaven (as yet)--
Though some savants make earth include the sky;
And blue so far above us comes so high,
It only gives our wish for blue a whet.

Gerardo Villanueva disse...

Bom site. Saudacoes.