segunda-feira, novembro 13, 2006



Dois amores - de paz e desespero -
Eu tenho que me inspiram noite e dia:
Meu anjo bom é um homem puro e vero;
O mau, uma mulher de tez sombria.

Para levar a tentação a cabo,
O feminino atrai meu anjo e vive
A querer transformá-lo num diabo,
Tentando-lhe a pureza com a lascívia.

Se há de meu anjo corromper-se em demo
Suspeito apenas, sem que dizer que seja;
Mas sendo ambos tão meus, e amigos, temo
Que o anjo no fogo já do outro esteja.

Nunca sabê-lo, embora desconfie,
Até que o meu anjo contagie.


Soneto 144
William Shakespeare

3 comentários:

Claudia disse...

Two loves I have of confort and despair,
Which like two spirits do suggest me still;
The better angel is a man right fair,
The worser spirit a woman, colour'd ill.

Lindo...
De quem é a tradução, do Ivo?

Beijos ;-)

Zoe de Camaris disse...

pior que não sei, flor.
não tenho o livro aqui

:(

bjs,

josé (porto) disse...

Dois amores tenho por consolo e des’pero,
Quais dois ‘spíritos me segredam silentes;
O melhor anjo é um homem belo e sincero,
O pior ‘spírito dessas mulheres mal’volentes.

(trad. 15 Nov ’06)